sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Do tropeço na ladeira de sexta

cheiro de lixo curtido no sol de meio-dia.
já pegaram todas as amoras maduras ao meu alcance (ficaram só as verdes ou as altas)
demoliram essas casas todas enfileiradas 
um dia alguém já amou dessa janela.
minha mochila é sempre pesada mas hoje eu tô levando batata e banana, pesa mais.
explode uma gota de suor no canto da testa
brinco de fechar os olhos e tentar andar em linha reta na calçada (mas nunca dou mais do que 8 passos sem espiar)
8 é meu número da sorte (só que nunca funcionou)
hoje tava uma tarde boa pra ter um pouco de sorte...
mas ainda esbarrei com uma barata virando a esquina do cemitério.



pelo menos depois: ventou. 

terça-feira, 8 de março de 2016

Do fundo do meu estômago (e a chuva que não caiu)

Hoje eu passo a manteiga na bolacha
como se estivesse passando na bochecha de alguém que eu amo.
Meus dedos se mechem pequenininho
cada movimento cuidadosamente planejado pra faca não machucar...
O açúcar acabou de novo.
Tento não escutar as buzinas lá em baixo
Queria guardar em suspensão essa vagareza da manhã (que me leva direto pro colo da minha mãe).

terça-feira, 26 de maio de 2015

Da ciranda pra Janaína desse último mês inteiro e a lua que agora eu acompanho

eu sempre me vejo mexendo com as coisas miúdas
talvez seja culpa do manoel de barros que me fez olhar bonito pro quintal
me pego costurando linhas fininhas
traços desaparecendo do papel
construindo aventura em caixinha de fósforo
descascando a bergamota com cuidado (por amor)
sentindo as veinhas dela que parecem com as minhas
eu deixo a pia sempre seca, organizada
sou miúda comigo mesma, é isso
deixo sempre limpo e esticado
organizo a casca do ovo
e isso não muda nada
(ou talvez mude tudo?)
é assim que eu me reconheço
lembro da árvore que eu sempre escolhia pra ser a "minha" na casa da nona
eu guardei que era uma laranjeira mas na verdade eu não sei
ela era na altura certa pra mim e acho que até hoje ainda é
e eu acho quase brega a palavra d e l i c i o s o mas eu acho meio delicioso isso tudo assim

quarta-feira, 18 de março de 2015

Sobre provérbio chinês e a minha janela sempre aberta


sonho outra vez
o corredor parece mais estreito e já não lembro de todas as cores.
um copo de vinho
e tanto frio
tanto frio!
aquela sensação breve (ainda que eterna) de casulo
de estar com a cabeça enterrada em baixo dágua - que é silenciosa só que tão agitada
e um ônibus que eu queria mesmo ter perdido.

(depois eu tentei esticar aquela noite. fantasiei saber todos os detalhes decór. conhecer cada palmo daquela rua. as coisas cotidianas. uns cafés da manha. teriam sido bons.)


Quando lembo de você
Dá vontade de gritar
De saudade de alegria
Por saber que nossas vidas dividiram caminhar

sexta-feira, 20 de junho de 2014

elephants de fim de tarde ou aurora boreal (e eu que quero estar sempre indo)

aquele pulsar gelado e agudo de uma borboleta decolando do meio das pernas
escorre sangue colorido
estou dentro de uma bolha
molhada
uma incubadora das sensações
viva
mantém a respiração
a vontade de viver e voar pra mais longe cada vez
remar nadar
e aquela coisa de querer morrer no mar
mas que morrer esteja bem longe agora
porque eu me sinto tão pronta dessa vez. outra vez.
agora sim
de novo
com as veias abertas: aqui vou eu.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Sobre o meu rádio barulhento e o silêncio dessa rua

A vida dói de tanta coisa que ela é.
Penso na imagem da cranio aberto sangrando que vi agora há pouco - ainda que só a foto.
Esbarro com a sujeira que eu acho que é a que dói mais: a miséria, a fome, a falta, a lacuna vazia.
Aí eu me sinto mal por estar aqui sentada na minha cama, com gripe e comovida com uma canção shoegaze dos anos 80. Eu penso "porra, eu aqui: limpa e emocionada com uma música e tem gente aí - lá - aqui do lado morrendo se matando violência helicóptero da polícia racismo homofobia nojo nojo".
Mas no meio de tudo isso eu penso que uma coisa não anula a outra e presto atenção na música e meu coração fica meio molinho de novo. Tenho isso aqui que eu sou: um amontoado de lembranças. A maioria é doce. A maioria parece que foi nos anos 90, mas acho que já era dois mil.
Também tenho essa vertigem da vida de agora: um frio na barriga como se fosse uma montanha russa em looping (e as mesmas palavras de sempre).

Lembro do velhinho com olhos de catarata e seus bilhetes de loteria do ponto de ônibus de ontem.
Ele me olhou tranquilo e disse "uma coisa: não existe futuro... só tem o presente."
Eu quis ser um abraço mas só consegui ser uma batidinha no ombro e um sorriso de obrigado.



sexta-feira, 11 de abril de 2014

lefonque e o meu coração acelerado

dessa vez tá tudo mais revirado
rápido
mas é de um jeito bom.
não consigo respirar devagarinho (só de manhã quando ainda guardo um olho fechado)
vejo uma animação psicodélica
uma caixola vibrando - que é a minha cabeça - de onde sai um saxofone nervoso
e quente
eu aqui suando
a noite
não aprendi a voar mas acho que ninguém aprendeu de verdade.
a gente cai mesmo e se debate e no fim vai virando cambalhota atrás de cambalhota mas é lindo de qualquer maneira: porque a gente tá indo
ainda guardo o lar. mas ele tá cheio de luz e borrão da estrada
e provavelmente é todo o combustível de coração pra eu poder estar tremendo agora de tanta vida.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Venus in furs (mas a outra música também) e a chuva

A canção começa assim:
"Here she comes... you better watch your step..."
Olho pela janela e parece que nunca estive aqui antes e ao mesmo tempo parece que nunca deixei essa cidade.
Suas árvores, as janelonas e a chuva.
A chuva!
Volto pra canção e vejo a garota.
Ela flutua.
Fica pairando no ar.
É leve. O sorriso voa.
Penso que uma noite pode durar tanto que as vezes parece mesmo que não existe isso de tempo...
Que se foda o tempo.
De repente eu tô do lado de fora da janela. Me molhando.
Esperando a vanzinha chegar e com o coração úmido de outros tempos.
A garota da canção é a garota da noite sem fim. É isso.
De pulsos finos e alma larga.

(Agora eu também flutuo.)

domingo, 24 de novembro de 2013

Let's save Tony Orlando's house (só mais uma vez)

Alguma sensação de estar viva que eu esqueci, mas é de inverno.
Vento gelado no topo de uma ladeira numa tarde cinza claro indo pra aula. Parece que alguém apertou o "mudo", igual a sonho. Cor e som de lugar nenhum mas eu sei bem que lugar é. Um CD dos anos 90.
Um café tão forte e meio doce milhas e milhas daqui, depois do mar.
Uma pontada aguda no meu coração porque eu quero sentir o cheiro de longe de novo.

E eu acordei assim: como se fosse 7 anos atrás. Com saudade. Apaixonada e em silêncio.


domingo, 20 de outubro de 2013

Sobre o meu pavor e a morte

Acho que eu não sei lidar com a morte.
Até hoje eu não precisei lidar com isso de perto mas eu fico imaginando e essa verdade as vezes paira e deixa o ar pesado, sólido. Podre. Uma notícia uma ponte que explode uma queimadura com um pulo uma coisa que uma hora ou outra vai chegar e a angustia da espera corrói mais do que o fim então por isso que nunca pode ser uma espera.

Lembro da noite em que eu tava deitada na cama com a minhã mãe e então me ocorreu: a gente vai acabar, um dia ela não vai tá mais aqui. E aí que eu fiquei desconsolada chorando por horas, apavorada, aterrorizada com essa ideia que não é só uma ideia. Noite escura e sem ar.

Ontem eu vi um último olhar que eu não sabia que ia ser um último olhar. Ele não sabia que o último dia dele era ontem. Tinha aquela leveza de quem só tá vivendo que eu acho que é o que a gente tem sempre (mesmo que a vida as vezes não tenha leveza alguma).

Fico aqui pensando em todo mundo que já engoliu esse cuspe seco da morte. Penso na minha fraqueza fininha. Um pulmãozinho aberto na água, jorrando de fora pra dentro até sumir... Imagino todo mundo que vive sempre na iminência da violência, onde o sangue jorra e a possibilidade da morte sobrevoa (de helicóptero colorido) todo dia.

Não era nem pra ser assim feio, não sei se é feio. Acho que as vezes nem é. Mas é que a gente só sabe ser vivo. E aí tudo por um triz e então coisa sem vida, murcha, apodrecendo...

"Já viu arruda secando de baixo pra cima?"


Nunca mais esquecer que: o dia mais especial é sempre hoje mesmo.